As vacinas são um marco na história da saúde humana e, segundo dados da Organização Mundial de Saúde, salvam a vida de 3 milhões de pessoas a cada ano. Para reforçar a importância das vacinas, o Brasil comemora, em 17 de outubro, o Dia Nacional da Vacinação, uma data para promover a importância da imunização no controle de epidemias.

Vacinas tem importância para erradicação ou diminuição da incidência de várias doenças graves, como varíola, caxumba, gripe, poliomielite, rubéola, sarampo e tétano.

PLANO NACIONAL DE IMUNIZAÇÕES

O Programa Nacional de Imunizações (PNI) acaba de comemorar 48 anos. Criado em 18 de setembro de 1973 e institucionalizado em 1975 − por meio da Lei 6.259, de 30 de outubro −, o programa foi formulado com os objetivos de coordenar, garantir a continuidade e ampliar a abrangência das ações de vacinação. O primeiro calendário de vacinação, estabelecido em 1977, incluía a BCG (contra a formas graves de tuberculose), a poliomielite oral (VOP), a tríplice bacteriana (DTP), que previne a difteria, tétano e coqueluche, e a vacina contra o sarampo.

O grande salto ocorreria a partir de 1980, com a implantação dos Dias Nacionais da Vacinação, como parte de uma estratégia que levaria ao fim da poliomielite no Brasil − o último caso foi registrado em 1989 e o certificado de eliminação foi concedido pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) em 1994. O aperfeiçoamento da estrutura do programa e um plano de comunicação exemplar, marcado pela criação do personagem Zé Gotinha (1986) e pelo apoio de personalidades com grande apelo junto ao público infantil, caso da apresentadora Xuxa Meneghel, alavancaram as coberturas vacinais e fizeram das imunizações parte do cotidiano brasileiro.

O PNI se consolidou como um dos melhores exemplos de garantia de acesso universal e igualitário à saúde, conforme estabelecido pela Constituição de 1988Graças ao programa foi possível eliminar a poliomielite, a rubéola, a síndrome da rubéola congênita, o tétano materno e neonatal; eliminar temporariamente o sarampo; e reduzir significativamente a incidência de importantes causas de adoecimento e mortalidade, como a difteria, as meningites bacterianas, a coqueluche, entre outras.

Atualmente, o calendário de rotina contempla 48 imunobiológicos, entre vacinas, imunoglobulinas e soros, oferecidos para crianças, adolescentes, adultos e idosos. 

Nos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais (CRIE), pessoas imunodeprimidas por doença ou tratamento; que vivem com doenças crônicas − como diabetes, cardiopatias e pneumopatias − que aumentam o risco de infecção ou complicações por enfermidades imunopreveníveis; e seus contatos próximos, têm direito a receber algumas vacinas que não são encontradas nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) ou que não são oferecidas para as suas faixas etárias.

O êxito em um país populoso, com dimensões continentais e regiões de difícil acesso fez do PNI uma referência internacional. O programa foi chamado para organizar campanhas de vacinação no Timor Leste, colaborou com ações em áreas conflagradas, como a Palestina, Cisjordânia e a Faixa de Gaza, promoveu treinamentos, firmou acordos de cooperação técnica e doou vacinas a diversas nações. O investimento, a qualidade dos centros de pesquisa, dos profissionais e das plantas industriais colocaram o Brasil em uma posição de vanguarda, com capacidade de produzir em massa imunobiológicos de altíssima tecnologia.

  • LISTA DE VACINAS
  • BCG ID: uma única dose aplicada ao nascer – CRIANÇAS
  • Dengue: previne dengue, infecção causada pelos quatro sorotipos de dengue: DEN1, DEN2, DEN3 e DEN4 – ADOLESCENTES e ADULTOS
  • dTpa: previne difteria, tétano e coqueluche – CRIANÇAS, ADOLESCENTES e ADULTOS  
  • Febre amarela: para idosos não previamente vacinados e residentes em áreas de risco para a infecção, após a avaliação médica sobre os riscos e os benefícios da vacina – IDOSOS
  • Febre Amarela: previne a febre amarela – CRIANÇAS, ADOLESCENTES e ADULTOS  
  • Gripe: induz a produção de anticorpos para reduzir as chances de infecção pelo vírus Influenza (que causa a gripe) – ADOLESCENTES e ADULTOS  
  • Haemophilus influenzae B: três doses ao longo de seis meses e reforços posteriores para prevenção de doenças causadas pela bactéria – CRIANÇAS  
  • Hepatite A: após avaliação sorológica ou em situações de exposição ou surtos. Duas doses com intervalo de 6 meses – IDOSOS
  • Hepatite A: previne hepatite A – CRIANÇAS, ADOLESCENTES e ADULTOS  
  • Hepatite B: previne hepatite B; Adolescentes e adultos – CRIANÇAS, GESTANTES e IDOSOS
  • Herpes zóster: dose única, para prevenção da herpes zóster; -IDOSOS
  • HPV: previne infecções pelo papiloma vírus humano, que causa câncer e verrugas genitais– ADOLESCENTES e ADULTOS  
  • HPV4: pode ser utilizada a partir de 9 anos de idade, previne infecções persistentes e lesões pré-cancerosas causadas pelos HPVs 6, 11, 16 e 18 e câncer de colo de útero, vagina, vulva, ânus e condilomas – CRIANÇAS  
  • Influenza: gestante é grupo de risco para as complicações da infecção pelo vírus Influenza. A vacina está recomendada nos meses da sazonalidade do vírus, mesmo no primeiro trimestre de gestação – GESTANTES
  • Influenza: previne contra infecção pelo vírus Influenza (que causa a gripe); – CRIANÇAS e IDOSOS
  • Meningocócica B: previne as meningites e as infecções generalizadas da bactéria meningococo do tipo B – CRIANÇAS, ADOLESCENTES e ADULTOS 
  • Meningocócica Conjugada ACWY: previne as meningites e as infecções generalizadas da bactéria meningococo dos tipos A, C, W e Y– CRIANÇAS, ADOLESCENTES, ADULTOS e IDOSOS 
  • Pneumocócica 13: previne cerca de 90% das doenças graves, como pneumonia, meningite, otite, causadas por 13 sorotipos de pneumococos – CRIANÇAS, ADOLESCENTES e ADULTOS  
  • Pneumocócicas: para maiores de 50 anos e, sobretudo para maiores de 60, recomenda-se esquema com as vacinas VPC13 e VPP23. Iniciar com uma dose da VPC13 seguida de uma dose de VPP23 seis a 12 meses depois, e uma segunda dose de VPP23, cinco anos após a primeira – IDOSOS
  • Poliomielite oral: previne a poliomielite infantil – CRIANÇAS
  • Poliomielite: três doses ao longo dos seis primeiros meses de vida e reforços posteriores para proteger a criança da poliomielite – CRIANÇAS
  • Rotavírus: previne a gastrenterite aguda por esse vírus – CRIANÇAS
  • Tríplice bacteriana acelular do tipo adulto dTpa: recomendada para todas as gestantes, pois além de proteger a gestante e evitar que ela transmita a Bordetella pertussis (que causa a coqueluche) ao recém-nascido, permite a transferência de anticorpos ao feto, protegendo-o, nos primeiros meses de vida, até que possa ser imunizado – GESTANTES
  • Tríplice bacteriana acelular do tipo adulto: prevenção de difteria, tétano e coqueluche – IDOSOS
  • Tríplice viral: previne sarampo, caxumba e rubéola – CRIANÇAS e IDOSOS
  • Tríplice viral: previne sarampo, caxumba e rubéola – ADOLESCENTES e ADULTOS
  • Varicela: previne a catapora; Adolescentes e adultos – CRIANÇAS

CENÁRIO ATUAL COM A COVID-19 

A Covid-19 é o desafio mais recente do programa. O país fabrica duas vacinas − Oxford/AstraZeneca/Fiocruz e Coronavac (Sinovac/Butantan) – e o PNI conduz o processo de vacinação da melhor forma possível diante da escassez de insumos e da politização em torno do tema. 

Hoje a vacinação é o método mais seguro e eficaz para combater a disseminação de vários vírus e a ocorrência de epidemias infectocontagiosas.

E em meio à crise mundial sanitária devido à pandemia de COVID19 e apesar dessas inegáveis contribuições das vacinas para a vida humana, a comunidade científica ainda esbarra em um problema que pode ser tão perigoso quanto uma doença: a desinformação. 

A vacinação protege não só quem é vacinado, mas também aqueles poucos que não desenvolvem a imunidade. Quanto mais pessoas de uma comunidade estão protegidas, menor é a chance de uma doença se propagar.

Vale ressaltar que o êxito das ações de imunização resulta de uma associação de fatores por parte das instâncias gestoras envolvidas, incluindo aquisição, planejamento, infraestrutura, logística, treinamento e, recursos humanos que nas diferentes atuações asseguram imunobiológicos de qualidade à população como também: pesquisadores, técnicos do PNI, equipes das salas de vacinação e todos os trabalhadores que vem atuando em outras funções essenciais, como o transporte das vacinas, segurança e muitos outras.

CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO

Para cada idade, existe uma vacina para proteger você:

https://bityli.com/6DUoBF

MITOS E VERDADES SOBRE VACINAÇÃO

No link do blog do Sabin – Medicina Diagnóstica temos assuntos interessantes sobre vacinas:

https://blog.sabin.com.br/vacinas/mitos-e-verdades-sobre-vacinas/

Fontes: Agência Senado – Sabin Medicina Diagnóstica – Ministério da Saúde – SBIm (Sociedade Brasileira de Imunização)

Write a comment:

*

Your email address will not be published.

Para emergências:        +55 21 3262-0100