Quase metade dos brasileiros se automedica pelo menos uma vez por mês e 25% o faz todo dia ou pelo menos uma vez por semana. Esses dados de 2019 fazem parte de uma pesquisa feita pelo Conselho Federal de Farmácia (CFF). De acordo com o estudo, a automedicação é um hábito comum a 77% dos brasileiros.  A automedicação traz riscos à saúde, pois a ingestão de substâncias de forma inadequada pode causar reações como dependência, intoxicação e até a morte. A discussão ao redor do tema é tão importante que maio ganhou até uma data para tratar sobre o uso racional de medicamentos, celebrada no quinto dia do mês.

MEDICAMENTO QUE BRASILEIROS MAIS TOMAM SEM PRESCRIÇÃO MÉDICA

A gerente médica do GRUPO GERIATRICS, doutora Marcelle Leitão Gomes Sá Pires comenta que “esse é um desafio importante de todos os serviços de saúde e por isso, muitos já se dedicam a estudar a Polifarmácia e Desprescrição.”

Usar medicamentos de maneira racional significa:

  • Armazenar adequadamente os medicamentos e descartá-los em coletores próprios, não utilizar remédios vencidos e evitar guardar em lugares quentes e úmidos;
  • Procurar auxílio de um médico, farmacêutico ou da equipe de saúde caso se sinta mal ou suspeite de reações adversas;
  • Usar os medicamentos na dose prescrita, nos horários corretos, pelo tempo indicado e da forma adequada.

Também é necessário que o paciente – sempre que receber uma nova receita – informe ao profissional de saúde se já está utilizando algum outro medicamento, pois um pode interferir nos efeitos do outro, tanto aumentando quanto diminuindo-os. É a chamada interação medicamentosa.

Perguntamos para dra. Marcelle Sá Pires por que é importante avaliações de interação medicamentosa:

Todas as medicações possuem em sua descrição efeitos colaterais e/ou adversos e isso é individual e particular de cada indivíduo, portanto sempre que prescrevemos algum fármaco há uma análise de risco x benefício. Em nossa equipe dispomos de um profissional farmacêutico clínico que discute e analisa em conjunto com a equipe prescritora auxiliando e contribuindo para um melhor desfecho.

Por fim, ela nos detalha o que significa adequação da polifarmácia.

A polifarmácia é considerada quando ocorre a prescrição de mais de 5 fármacos, o termo adequação de polifarmácia se dá quando a equipe prescritora analisa cada prescrição de maneira a viabilizar a possibilidade de desprescrição. É importante ressaltar que polifarmácia pode ser necessária dependendo das comorbidades e condições clínicas de cada indivíduo, portanto não há uma conduta errada o que devemos sempre fazer é analisar frequentemente essa situação e sempre que possível desprescrever.

PERIGOS DA AUTOMEDICAÇÃO

Os analgésicos, por exemplo, não curam enxaqueca e podem até piorar.

Antitérmicos podem mascarar algo mais grave, como uma infecção.

Anti-inflamatórios podem sobrecarregar os rins.

Uso de vitaminas só é indicado se a pessoa tiver uma carência específica e precisar de reposição.

Antiácidos e remédios para dor de estômago podem encobrir algo mais sério, como úlceras e gastrites.

Xarope pode mascarar uma pneumonia.

Para emergências:        +55 21 3262-0100